LogoCmadeira2020

LogoSRTC2020

PT EN

O ovo é um símbolo ancestral de fecundidade e abundância. A nidificação tem lugar nesta época, pelo que existiram muitos rituais, em diferentes culturas, associados ao ovo, ligados ao início da vida e da fertilidade.
Estes rituais ancestrais, foram adotados e transformados pela Igreja, tendo o ovo (início de vida) se tornado símbolo da Ressurreição de Cristo e, consequentemente da Páscoa. Desde então, trocam-se os ovos enfeitados, no Domingo após a semana Santa.
Tradicionalmente, para colorir os ovos, deitavam-se produtos naturais na água, onde os colocavam a ferver: casca de cebola (castanho claro), café (castanho escuro), açafrão, flores de tojo, cenoura, cascas de limão ou laranja (diferentes tons de amarelo), beterraba (cor púrpura), violetas secas (roxo), raízes de ruivinha (vermelho), espinafres, heras e trevos (verdes), etc. Após a coloração, podiam, ainda, ser decorados com desenhos, ou escreviam-se palavras, ditados ou versos. Mais tarde, surgiu a moda de os colorir, utilizando-se tintas para o efeito. Hoje, são confecionados com chocolate e envoltos em papéis coloridos.

Projeto dos Serviços Educativos do MEM
Queres "Saber-Fazer"? é a nova rubrica lúdico-pedagógica, com atividades para toda a família, criada pelos Serviços Educativos do MEM, de modo a dar continuidade ao trabalho desenvolvido, habitualmente, no atelier e jardim do museu, no âmbito do projeto "OTL - Museu, Espaço de Lazer". A segunda atividade, pensada para a Páscoa, pretende dar a conhecer o significado e como se faziam, tradicionalmente, os "ovos da Páscoa", transmitindo este "saber-fazer", passado de geração em geração.

Créditos: Museu Etnográfico da Madeira

FazerOvos