LogoCmadeira2020

LogoSRTC2020

PT EN

As Coleções do Museu Etnográfico da Madeira. Contentores de líquidos. 
"Lagenaria vulgaris" é uma planta da família das "Cucurbitáceas" muito cultivada pelo fruto em forma de pera, a "abóbora-cabaça", de polpa comestível e casca lenhosa.
A cabaça é, no entanto, a designação comum dos frutos de diversas plantas, da família das "Cucurbitáceas", popularmente conhecidas por "cabaceiras". De casca dura, estas "abóboras-cabaças" são geralmente formadas por duas partes globosas, de tamanho desigual, sendo a inferior maior. Depois de despejadas do seu conteúdo e secas, são utilizadas como contentores de líquidos ou no fabrico de diferentes objetos, nomeadamente instrumentos musicais.
A título de exemplo, no Brasil, o "afoxé" é um instrumento musical, feito a partir de uma cabaça, com contas colocadas no seu interior ou dispostas em fios no seu exterior e a maraca é um idiofone de agitamento, constituído por uma bola, que pode ser feita, também, de uma cabaça. Contém sementes secas, grãos, arroz ou areia grossa, produzindo diferentes sons.
Também é comum, naquele país, construírem-se vários tipos de vasilhame, nomeadamente a "cuica", feita com meia casca desse fruto, depois de seco.
Em África, por exemplo, existe o "xequerê", um instrumento de percussão africano, composto por várias cabaças.
A cabaça (do árabe "kara bassasa", "abóbora lustrosa") foi, aliás, uma das primeiras plantas cultivadas no mundo, não apenas para uso na alimentação, mas para ser utilizada como um recipiente de água.
Está espalhada por todos os continentes e na maior parte dos países onde vegeta, é utilizada como vasilhame.
Em Portugal, está espalhada por todo o país e é conhecida como "cabaça-de-romeiro", por ser usada pelo povo, a tiracolo, a caminho das romarias.
Também na nossa ilha, munidos do bordão, símbolo que os identificava, os "romeiros" calcorreavam os caminhos íngremes, cantando e dançando ao som dos instrumentos tradicionais e, em tempos mais recuados, era comum as mulheres transportarem os farnéis, em cestas de vime, forradas com toalhas brancas e os homens transportarem água ou a bebida (vinho e aguardente), numa cabaça, que depois de seca e despojada das sementes, servia para esse fim.
A cabaça era também usada pelos pastores, para transportar água, quando se deslocavam à serra, por longos períodos, para cuidar do gado ovino e caprino.

cabaca