LogoCmadeira2020

LogoSRTC2020

PT EN
Jane Wallas Penfold, desenhadora (Madeira, 1821- Bath, 1884)
Robert Ewan Bowler, litógrafo (1794-1874)
Litografia impressa a preto, colorida a aguarela
Reeve Brothers, Londres, 1845
A cor AMARELA deste fruto, tipicamente madeirense, destaca-se nas bancas do Mercado dos Lavradores. Com bagos relativamente pequenos e um sabor agradável e característico, muito doce, faz as delícias de miúdos e graúdos.
Este desenho, da autoria de Jane Wallas Penfold, foi litografado e publicado no álbum “Madeira: flowers, fruits & ferns”, em 1845. Este livro contém 20 litografias aguareladas, de plantas e frutos, precedidas de um texto com a descrição científica, explicações sobre cada espécie e algumas informações locais. O álbum, interessante e raro, sobre botânica madeirense promoveu a imagem da Ilha no século 19 como paraíso tropical, propondo-se estimular o interesse pela Madeira enquanto destino adequado para o estudo da botânica e a produção artística.
No que se refere à “The Banana Fruit. Musa Paradisiaca” trata-se de uma espécie que existia na altura na Madeira, conhecida por banana plantina e que o P.e Eduardo Pereira, no Elucidário Madeirense (1921), menciona ser consumida frita ou cozida. A seu respeito a autora adianta que era particularmente benéfica para os doentes, pelas suas qualidades nutrientes e digestivas. Acrescenta que, na Ilha, para além do fruto, toda a planta era aproveitada, a casca, as folhas e a parte mais carnuda do tronco eram dados aos animais como alimento, enquanto que o exterior, mais seco, era aproveitado para fazer cordame, usado na ligação das aduelas dos barris.
Jane Wallas Penfold, nasceu na Madeira em 1821, filha de Sarah Gilbert e de William Penfold, comerciante de vinhos, residente na Quinta da Achada, freguesia de São Pedro. Particularmente interessada em botânica e apoiada por quatro naturalistas, aventura-se nesta publicação, cuja edição juntou 58 subscritores, com 68 cópias reservadas. Em 1846 casa-se com William Withey Mathews, mudando-se depois para Inglaterra, onde veio a falecer em Bath, no ano de 1884.
Há notícia do cultivo da banana na Região desde 1552, tratava-se então da bananeira da terra, espécie entretanto extinta. As variedades mais cultivadas a partir do século 19, são a bananeira anã (Musa cavendishii) e a de prata (Musa sapientum), sendo o fruto da primeira o único que se destinava à exportação. A bananeira anã era conhecida localmente por bananeira de Demerara, uma vez que foi importada daquele país para a Ilha cerca de 1842. Já a bananeira de prata só começou a ser cultivada, alguns anos mais tarde, no final da mesma década.
Créditos: Casa-Museu Frederico de Freitas
 
banana