LogoCmadeira2020

LogoSRTC2020

PT EN
Litografia impressa a preto e aguarelada.
Andrew Picken, desenhador e litógrafo (Londres, 1815- Londres, 1845).
Edição do autor, Londres, 1842.
É o AZUL, intenso no mar, suave no céu e mais escuro nos complementos do traje popular madeirense, que se destaca nesta panorâmica oriental da cidade do Funchal. A vista registada a partir do antigo Hospital de São Lázaro, nas redondezas do atual Parque de Santa Catarina, mostra em primeiro plano um grupo de naturais reunido em redor do rapazito que toca machete. As crianças sentam-se no chão, atentas ao desempenho do pequeno tocador. Estão acompanhadas por dois jovens adultos que, mais altos e de cada lado, equilibram visualmente a composição. O jovem, de pé, carrega ao ombro um bordão com um casaco suspenso, bem como galinhas e perús, presos pelas patas. A mulher sentada, ocupa-se a fiar, com a roca sob o braço esquerdo, torce o fio entre os dedos e enrola-o no fuso que segura na mão direita.
No traje destaca-se a baeta azul, do tecido de lã, tingido, usado em certas peças do vestuário tradicional, como nas capas, casacos, coletes e carapuças. O homem veste camisa e calções pelo joelho, brancos, jaqueta curta, botas de couro de cano largo e carapuça na cabeça. As crianças trajam de modo semelhante, variando apenas algumas calças que são compridas, o lenço escuro amarrado num nó que um deles traz ao pescoço e, nas cabeças, para além das habituais carapuças, um chapéu de palha e um barrete de orelhas. A fiadeira usa saia listada, blusa branca e corpete vermelho que desponta sob a capa curta azul, da mesma cor da carapuça que traz sobre os cabelos apanhados.
Pequenos detalhes ilustram algumas curiosidades locais, como a pequena lagartixa prestes a avançar sobre as bagas e os frutos de um prato pousado sobre o murete mais próximo e as tabaibeiras que crescem à direita. Depois, à esquerda, abre-se uma rua empedrada e inclinada onde transitam um burro carregado com barris e um vilão que observa a cidade. Segue-se um amontoado de casas de dois ou mais pisos, janelas envidraçadas e coberturas de telha, tendo a última um balcão de madeira na fachada voltada ao mar.
Ao fundo espraia-se o Funchal com o casario concentrado ao longo da baía e subindo, ainda esparso, pelas encostas. Na cidade distinguem-se a Fortaleza-Palácio de São Lourenço com o amplo recinto da Praça da Rainha em frente; as fachadas e a cúpula do Convento de São Francisco, entre o arvoredo; a inconfundível torre da Sé e, ao longe, do lado de dentro da muralha, a vegetação da Praça Académica. A praia é larga e inclui uma zona densamente ocupada por embarcações varadas, junto da alta coluna do Pilar de Banger. Apresenta-se amuralhada em toda a sua extensão até ao Forte de São Tiago, bem no fundo. Ligeiramente acima deste, ergue-se a igreja da mesma invocação – hoje dedicada a Nossa Senhora do Socorro. A partir daí seguem-se as quintas, formando uma linha ascendente e bem definida que culmina na afamada Quinta do Palheiro. Muito abrangente, esta perspetiva da costa Sul tem como limite Leste, o recorte da vertente em suave declive até à ponta do Garajau, e Norte na zona mais alta e pouco habitada, quase escapando ao ângulo de visão, a igreja do Monte, inconfundível pela sua característica fachada enquadrada pelas duas torres.
Esta litografia pertence ao álbum “Madeira Illustrated”, de Andrew Picken, que nos meados do século XIX constituiu o mais poderoso veículo de divulgação da Madeira como estância terapêutica para as doenças pulmonares que então grassavam a Europa e os Estados Unidos. Tornou-se uma verdadeira referência para os visitantes e todos os artistas que depois retrataram a Ilha. Muito elogiado, teve rápida e ampla aceitação, sendo editado por duas vezes com as datas de 1840 e 1842, embora na realidade lançado nos anos de 1841 e 1844, respetivamente. O álbum reúne uma seleção de 8 das mais marcantes aguarelas, das inúmeras que Andrew Picken realizou entre 1837 e 1840, durante a sua primeira estadia na Ilha. Litografadas pelo próprio, três são dedicadas ao Funchal e as restantes cinco representam paisagens do litoral e da costa norte. As estampas foram impressas a preto e o álbum podia ser adquirido na sua versão simples, sem cor, ou aguarelado, mas nesse caso o seu preço duplicava. Incluía um texto informativo “Description of Madeira” da autoria do médico escocês Dr. James Macaulay (Edimburgo 1817- Edimburgo 1902) e do próprio Andrew Picken, que se encontrava dividido em quatro secções intituladas: “Historical Sketch”; “Description of the Island”; “Remarks on the Climate” e “General Information”. Um mapa da Madeira com os itinerários dos passeios de Picken pela Ilha, complementava o conjunto.

Ao captar a beleza da baía do Funchal, é evidente que o artista se esforçou por expressá-la em todo o esplendor, acrescentando um encanto extra través da integração cénica dos figurantes. Deste modo consegue introduzir, através do registo iconográfico e do descritivo que complementa esta litografia, um apelativo folclórico e pitoresco associado aos trajes e costumes locais, bem ao gosto da época.

Créditos: Casa-Museu Frederico de Freitas

funchal