LogoCmadeira2020

LogoSRTC2020

PT EN

O Museu Etnográfico da Madeira, associa-se à comemoração da Festa do Vinho 2021 (até o dia 24 de outubro), com a publicação de temas, relacionados com a atividade vitivinícola.
Hoje divulga, uma peça de artesanato em madeira, uma miniatura de um “lagar de fuso”, da autoria do artesão João Abel Correia Marques, datada de 1997.
Esta peça faz parte do acervo do museu e está patente ao público, na exposição permanente, dedicada à vitivinicultura. Visite!
Tendo a ilha boas madeiras, a par das lagariças de pedra, menos usuais, difundiram-se os lagares de madeira, inicialmente escavados num tronco só, os chamados “lagares de cocho”, que possuíam uma vara, sem parafuso, sendo o reforço feito num prato como o da balança decimal.
Mais tarde, ter-se-á generalizado o lagar quadrangular de madeira, designado de “lagar de fuso”, possuindo uma vara, geralmente de pinho, grossa viga articulada num extremo e apoiada, no outro, por uma porca, onde vem montar um alto parafuso de madeira ligado a um pesado bloco de madeira. A caixa de madeira deu, mais tarde, lugar a uma de cimento, com maior durabilidade.
Ao findar do dia, terminada a apanha da uva, procedia-se, no lagar, à “pisa”, esmagando as uvas, com a pressão dos pés descalços e calças arregaçadas ou com botas.
O sumo da uva (“mosto”), escoava pelo “bico”, passando pelo “cesto coador”, onde era retido o “bagaço” (restos de bagos, cascas e grainhas), para finalmente cair na “tina”.
Esmagadas as uvas, o “bagaço” era arrumado ao centro, posto em pé, enrolado helicoidalmente por uma corda e, por cima dele,colocavam-se duas tábuas, a “mesa”, e os “malhais” ou “barrotes”. Com movimentos rotativos do bloco de pedra, articulado pelo fuso, baixavam a grossa vara, que fazia pressão sobre o bagaço, comprimindo as uvas. Era a chamada “empesa”.
Por vezes voltavam a espalhar o “bagaço” e faziam a “repisa”, esmagando de novo os bagos com os pés. Antigamente, esta árdua tarefa prolongava-se pela noite dentro, regada com vinho e aguardente e era animada por cantares cadenciados, caraterísticos desta atividade agrícola.

miniaturan