LogoCmadeira2020

LogoSRTC2020

PT EN

Em destaque na rubrica “um dia uma obra” Fernando Calhau. 

Nasceu em Lisboa em 1948. Licenciou-se em Pintura na Escola de Belas Artes de Lisboa, em 1973. Estudou na Slade School of Fine Art, Londres, como bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian, onde estudou gravura. Realizou a sua primeira exposição individual, “Gravuras Brancas”, em 1968.
Nos anos 70, inicia uma prática estruturada por séries onde o monocromatismo e a depuração geométrica o colocavam em estreita sintonia com a Arte Conceptual e com o Minimalismo. Utiliza, também, como média, o filme super 8, o vídeo e a fotografia. Já nos anos 80 introduz no seu corpo estético o ferro, o néon azul e a palavra escrita. Esta última assume um papel determinante na sua obra.
Expôs em museus, instituições nacionais e em várias galerias: Galeria Quadrum, 1981; Galeria Luís Serpa, 1998; Galeria Cristina, 2000, Lisboa; Galeria Pedro Oliveira, 1998, Porto e Projeto SlowMotion, 2000, Caldas da Rainha. Participou nas seguintes exposições: “20 Anos de Gravura” e “III Exposição de Artes Plásticas, Fundação Calouste Gulbenkian, 1976 e 1986, respetivamente; “Alternativa Zero”, 1977; “A Fotografia como Arte/ A Arte como Fotografia”, 1979; XI Bienal de Paris, 1980; “Anos de Rutura – Uma Perspetiva de Arte Portuguesa dos Anos 60”, 1994; “Circa”, Museu Serralves, 1999.
Em 2000 ganhou Prémios EDP de Pintura e Desenho. Em 2001, um ano antes do seu falecimento, realizou duas exposições no Centro de Arte Moderna José de Azeredo Perdigão, outra na Fundação Calouste Gulbenkian: “Passageiro Assediado” e “Work in Progress”. No mesmo ano foi agraciado com a medalha “Miró-Picasso” pela UNESCO e recebeu o Prémio AICA.
Nesta pintura, um acrílico sobre tela, composição de formas depuradas, Fernando Calhau convida-nos a uma observação atenta, instigando-nos a olhar através do negrume aeriforme e a contemplar o vazio material e temporal da peça, referindo que na sua pintura, “o negro tem esta qualidade de desconhecido (...) ou da sua promessa.”

Créditos: MUDAS.Museu de Arte Contemporânea da Madeira

fernandocalhaumudas