LogoCmadeira2020

LogoSRTC2020

PT EN

Contam-se hoje 146 anos sobre o naufrágio do vapor britânico Soudan na baía do Funchal, diante da praça da Rainha (atual avenida do Mar e das Comunidades Madeirenses).
O navio, construído apenas 5 anos antes deste desastre, pertencia à companhia African Steam Ship Company e estava ao serviço da African Royal Mail Company. Havia partido de Liverpool, em direção à Costa Oeste de África, com 45 tripulantes, 1 passageiro, correspondência e mercadorias diversas, tendo chegado à Madeira pelas 18 horas, nesse dia 2 de fevereiro de 1875. O Soudan ficou ancorado no Forte de São José, onde aguardou por 3 horas pela recolha da correspondência da Madeira. Por não ter obtido resposta do Capitão do Porto, mesmo após insistentes sinais por arma de fogo, o capitão do vapor decidiu partir para Gran Canária, onde deixaria a correspondência, para ser mais tarde entregue por outra embarcação. Ao soltar as amarras, os motores do vapor falharam e, apesar do mar estar calmo, o Soudan ficou à mercê do forte vento que se fazia sentir de Sudoeste, que o empurrou para a praia, onde veio a encalhar. Toda a tripulação desembarcou sã e salva, assim como o passageiro e os correios. Perante a irreparabilidade do navio, este foi desmantelado e vendido na Madeira por 6.666 libras esterlinas.

Créditos: Museu de Fotografia da Madeira - Atelier Vicente's.
navioo
 
ALOÍSIO CÉSAR DE BETTENCOURT
Vapor inglês "Soudan" encalhado na baía da cidade do Funchal | fevereiro de 1875
12,6 x 18,7 cm | Negativo simples, vidro | Colódio
MFM-AV, Inv. ACB/9
Em depósito no ABM