LogoCmadeira2020

LogoSRTC2020

PT EN

Quinta Magnólia foi mandada construir na primeira metade do séc. XIX por J. Howard March, um abastado comerciante do Funchal. Embora alegasse ser inglês, March, parece ter nascido nos EUA, e ocasionalmente exercia as funções de cônsul americano. Grande filantropo e benfeitor, contribuiu generosamente para várias empresas públicas, escolas e instituições de caridade e, apesar de ser protestante, foi fundamental na reconstrução da Igreja no Santo da Serra e do seu grande pátio. Para além de actos de caridade, contribuiu com donativos para os necessitados.

Durante a sua estadia na Quinta Magnólia dedica-se ao seu hobby: cria os jardins e cultiva as muitas plantas exóticas que havia colecionado tão assiduamente ao longo dos anos. Em 1851 a quinta é adquirida pelo inglês Herbert Watney, que estendeu a propriedade até ao Ribeiro Seco e contratou um jardineiro paisagista para aperfeiçoar e enriquecer a qualidade dos jardins com plantas exóticas. Contratou um jardineiro paisagista Inglês para melhorar a qualidade dos jardins, acrescentando em muito a coleção já considerável de plantas, e como resultado, a Quinta Magnólia hoje possui alguns das melhores palmeiras, cicas e cactos do Funchal. Os seus sete acres e meio de belos jardins contêm árvores do Extremo Oriente, México e Brasil, e dos EUA e da África.

A Magnólia grandiflora, com o seu indescritível aroma a limão dá o seu nome à quinta, e está localizado em junto do portão, ladeada por dois eucaliptos gigantes. Além do cedro japonês e outras árvores, grades entrelaçadas com glicínias, que levavam à entrada sul do clubhouse. Outros caminhos se ramificam através das árvores e canteiros de flores na direção aos campos de ténis e croquet. Havia um campo de golfe de 18 buracos.

Os relvados, a dois níveis diferentes, estendem-se até onde os olhos podem ver. Toda a paisagem é uma homenagem ao trabalho inspirado de um horticultor talentoso que dedicou seu tempo e energia para criar algo de grande beleza, um jardim que vai não só melhorar o ambiente e proporcionar às gerações vindouras os meios para compreendê-lo.

Em Abril de 1931 o filho do Dr. Watney Martin vendeu a propriedade, que, na altura tinha uma área de aproximadamente 33.200 m2. Os contornos da propriedade mudaram quando a Quinta Magnólia deixou de ser uma residência privada, e se tornou no British Country Club (Clube inglês), em Agosto de 1931. Não é totalmente clara em que fase da sua história passa para a posse de Edmund Leacook . O que se sabe é que serviu como um clube durante a guerra de 39 -45 quando o Major Reginald G. A. Lloyd se tornou seu Secretário.

Seguiu-se o Sr. Ernest V. Boddis, um engenheiro da Madeira Electric Light Company, que desempenhou as funções de Secretário durante muitos anos. A última pessoa a ocupar o cargo foi Peta Leacock Oliveira. Desde o tempo do major Lloyd, até a década de 1970, o clube revelou-se um ponto de encontro para a Comunidade Britânica e seus amigos portugueses.

O club house , um edifício creme de dois andares, pisos de madeira e corrimão a toda a volta, distingue-se pela suas varandas duplas no lado leste. O gabinete do secretário e outros quartos estavam localizados no andar de cima, enquanto em baixo, de um lado, biblioteca, bilhar, ténis de mesa e sala de cartas; do outro, a sala de estar, com poltronas confortáveis e uma mesa cheia de jornais e revistas inglesas. As janelas dão para a varanda, pátio, relvados e jardins. O clube abria todos os dias das 08h00 às 20:30; chá e café eram servidos no salão, no terraço ou no jardim. No relvado onde se jogava croquet, foi construída uma piscina em 1969.

A configuração do jardim mudou novamente quando, em 1980, Quinta Magnólia foi adquirida pelo Governo Regional e aberta como um parque público. Os arbustos e bosques perto do ribeiro foram desmatados para dar lugar a dois novos campos de ténis e de squash. Parte do relvado ocupado por escorregas e baloiços para as crianças. Aviários com periquitos, faisões, gansos e pavões azuis exóticos foram introduzidos e instalada uma pequena British School, com uma educação de estilo britânico de tempo integral para crianças portugueses e estrangeiras.

Em 1983 o clube foi transformado na Escola de Gestão Hoteleira, obras da autoria do arquiteto Francisco Caires, ao adaptar o antigo edifício para a sua nova função, tendo em conta a necessidade de salas de aula, preparação de alimentos etc. O salão foi transformado em restaurante e o antigo bar com painéis foi completamente remodelado. Funcionando com aulas práticas para os alunos, com serviço de almoços e chá. Em 1990 a Escola de Hotelaria foi transferida para outro lugar.

A Protecção Civil também teve sede esta Quinta.

A biblioteca existente passou por uma mudança radical passando para a tutela da Direcção Regional dos Assuntos Culturais, hoje biblioteca de culturas estrangeiras trasladada para o ABM. O museu de Arte contemporânea foi instalado provisoriamente na Quinta Magnólia até 1992, quando a colecção de Arte Contemporânea transita para a Fortaleza de São Tiago, presentemente no Mudas – Museu de Arte Contemporanea, na Calheta.

Reabre ao público, após aturadas obras de requalificação, em Julho de 2019.

Texto: @Ana Teresa Klut
Créditos: Quinta Magnolia Centro Cultural

2QuintaMagnoliaSabiaque

1QuintaMagnoliaSabiaque

1QuintaMagnoliaSabiaque

1QuintaMagnoliaSabiaque

1QuintaMagnoliaSabiaque

1QuintaMagnoliaSabiaque

1QuintaMagnoliaSabiaque

1QuintaMagnoliaSabiaque

1QuintaMagnoliaSabiaque